facebook.com/monica.sampaio1 (perfil 1)

sexta-feira, 6 de fevereiro de 2009

CARACA!!! Quem é você e o que você fez com a criança?!




Quem é você e o que você fez com a criança?!

Um menino chinês, de apenas 9 anos desenvolveu um aplicativo para o iPhone. Caraca!! O que será das nossas crianças?! Desenvolvendo aplicativos para iPhone COM APENAS NOVE ANOS DE IDADE!!




Socorro! Quem é você e o que você fez com a criança? Aonde está a bola de futebol dela? O skate, cadê? Não vou nem perguntar de “polícia e ladrão”, “pique bandeira” e “queimado”!



Não sei se eu rio ou se eu choro! Nove anos?! Não é muito cedo, não? Que tipo de infância é essa? Ai!Tenham compaixão de mim! Sou quase cinquentona e ainda não me acostumei muito com essas modernitudes tecnológicas.



Eu fico pensando: eu “dou um duro” aqui em casa, para o meu menino de 12 anos não ficar grudado no computador! Porque afinal de contas, os especialistas da área da saúde já alertaram para um novo tipo de “doença social”, causada pelo excesso de exposição ao computador. Mas, como mensurar o tempo ideal de uso para que, a criança aprenda o que tem que aprender e, ao mesmo tempo, não se prejudique?
Será excesso de zelo meu, achar que uma criança de 9 anos têm que brincar com brincadeiras que utilizem, também, as outras partes do corpo? Será que sobra tempo para este menino chinês brincar ao ar livre?



Ah, me desculpe, mas posso estar sendo retrógada e saudosista, mas isso me assusta. Fico imaginando qual o tipo de diálogo que este menino tem. “Bla bla bla é o que eu falo; ele versa sobre Informática, tecnologias, eletro-eletrônicos, Ciência, Astronáutica etc.



Para você ter uma idéia do quanto isto me espantou, cheguei até a pensar que isto é ROUBO! Estão “roubando” a infância dessa criança! Gente: 1, 2, 3, 4, 5, 6, 7, 8, 9 ANINHOS! É o que esta criança tem! Estão roubando a sua “inocência” (?!) !



Ou então, estou ultrapassada mesmo, e esse é o formato da criança do futuro; um futuro que já começou.
Um futuro robô.
Sem alma; sem lembranças da infância; sem emoção.